9 de outubro de 2012


Já somos quase 23 milhões. Exatamente 22.735.725 eleitores brasileiros resolveram não votar na última eleição. É como se toda a população do Chile e do Paraguai decidisse não ir às urnas.

O crescimento da população não-votante é notável. Foram pouco mais de 18 milhões na eleição anterior, em 2010. Até então, o índice de abstenção chegava a 14,5 por cento. Desta vez, mais de 16,4 por cento do eleitorado brasileiro não votou. Em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais o índice ultrapassou 18 por cento, enquanto no Maranhão chegou a 19 por cento.

Em Boa Vista, 16,72 por cento dos eleitores decidiram que não valia a pena sair de casa para votar. Foram mais de 30 mil ausentes, o que significa mais da metade do total de votos obtidos pela prefeita eleita. Se alguém aí pensou em crise de representatividade, acertou em cheio.

Alienação? Niilismo? Farra? As explicações se acumulam, mas o recado parece ser claro: o voto não pode mais ser obrigatório e o sistema eleitoral precisa de regras mais transparentes. Com investimento pesado em educação para uma melhor reflexão diante da urna, a democracia brasileira pode chegar a algo mais que uma sociedade anônima, fatiada entre PT, PSDB, PMDB e DEM. O povo é bobo, mas não o tempo todo.

22 de agosto de 2012

Brasília - A Via Campesina invade a Capital do Protesto. Neste momento, milhares de manifestantes descem o Eixo Monumental em direção à Esplanada dos Ministérios. Uma das maiores passeatas do ano. Infensa aos protestos e à queda na popularidade, a presidente Dilma Roussef toma chá no Palácio do Planalto. Negociar, nem pensar.

1 de junho de 2012

Pela base






Brasília - Deputado Francisco Praciano (PT-AM) visita o Comando de Greve dos professores federais. "Sou do PT, mas não sou governista.", afirma Praciano, cujo índice de votos favoráveis ao governo é de 86 por cento. Afirma que é favorável à greve. "Aprendi com o PT a apoiar os movimentos. Apoio sua pauta e a reestruturação da carreira."

Praciano defende tratamento diferenciado para a Amazônia nas áreas de saúde e educação. Um óbvio ululante que somente a cegueira política nacional não consegue perceber. "Nenhum profissional médico ou professor com nível superior quer atuar no interior da Amazônia. É preciso atrair profissionais com salários atrativos. Ou então não há desenvolvimento nacional"


19 de abril de 2012

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF: O SETOR DO LIVRO, LEITURA E LITERATURA PEDE PROVIDÊNCIAS

Senhora Presidenta,


Os que assinam esta Carta Aberta o fazem por entender que se esgotaram todas as possibilidades de mudanças nos rumos das políticas voltadas para a área do livro, leitura e literatura no âmbito do MinC (Ministério da Cultura) e FBN (Fundação Biblioteca Nacional). Para nós, é necessário que a Senhora, como leitora e incentivadora destas políticas, conheça de perto o real quadro deste importante e fundamental setor para a construção de uma nação realmente desenvolvida e independente.

Antes de expor nossos argumentos, é importante salientar que as pessoas que assinam este documento militam na área de cultura e foram, em sua maioria, defensoras de sua eleição. O principal motivo que nos levou a apoiá-la, além de outros avanços nas diversas áreas do país, foi o gigantesco salto dado pelo Brasil na construção de uma política de cultura como política de Estado nos dois governos Lula e, mais especificamente, os enormes passos dados na construção de uma política voltada para o livro, leitura e literatura, visando responder a enorme dívida social que o Estado Brasileiro tem com sua sociedade: o nosso grande déficit de leitores.

A Senhora representava a manutenção deste projeto e sua grande possibilidade de fazê-lo avançar ainda mais. Estávamos todos entusiasmados com o momento que o país vivia e confiantes de que o projeto político-cultural seria mantido. Sabíamos que ajustes eram necessários, mas também sabíamos que a manutenção da base e do caminho trilhado até sua posse seria o mais coerente.

Senhora Presidenta, não vamos aqui detalhar os problemas enfrentados na gestão da ministra Ana de Holanda, que vem recebendo muitas críticas de setores que sempre apoiaram os rumos das políticas culturais do Governo Federal desde a posse do ex-presidente Lula. Vamos nos limitar a analisar as questões relacionadas às políticas para o livro, leitura e literatura.

Desgoverno e propaganda
Senhora Presidenta, todo o problema na área do livro, leitura e literatura começou com a intervenção anti-democrática do senhor Galeno Amorim, nomeado presidente da FBN no início de 2011, que se dedicou a desmontar estruturas importantes em nosso setor, a desmobilizar o Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura e a retroceder em conquistas fundamentais, tudo em função de uma desastrosa centralização das políticas na Fundação Biblioteca Nacional.

Alertas para os problemas que trariam estas manobras, diversas moções e recomendações, além de correspondências encaminhadas à ministra Ana de Holanda, e ao presidente da FBN, Galeno Amorim, foram redigidas e manifestadas no âmbito do Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura e do Conselho Nacional de Política Cultural, instâncias do MinC para a participação da sociedade civil. Infelizmente, estas manifestações foram ignoradas.

A centralização das políticas para o setor em um único organismo, a Fundação Biblioteca Nacional, provocou o maior retrocesso que a área viu desde que se iniciou a implantação das políticas públicas para o livro, leitura e literatura. A Diretoria do Livro, Leitura e Literatura - DLLL, que funcionava vinculada à Secretaria de Articulação Institucional do MinC, passou a ser subordinada à FBN e iniciou-se um claro processo de desmonte de sua estrutura.

É preciso salientar que a conquista desta diretoria na estrutura do MinC representou grandes avanços para o setor. Sua mudança de subordinação administrativa gerou um intencional rebatimento político negativo com a paralisia de vários projetos como o PNLL (Plano Nacional do Livro e Leitura) e de uma mudança prejudicial no foco das políticas: antes voltadas para a formação de leitores e agora curvada ao comércio de livros, para atender alguns interesses imediatos do mercado editorial.

Esta mudança de foco atende a demandas antigas do mercado, mas é contraditória à medida que reduz os investimentos nos eixos estruturantes das políticas do setor: a criação literária e a formação de leitores, reduzindo o papel do Estado a agenciar políticas para a formação de uma imensa massa de novos consumidores, atendendo ao apetite desmedido do mercado.

Não temos posição contrária a políticas que dinamizem a indústria e o mercado editorial. O que questionamos é o que se nos revela como miopia política pela inversão de valores: a priorização dos interesses imediatos do mercado, em detrimento justamente das dimensões que dão lastro, sentido e qualidade às políticas públicas nacionais do livro, leitura e literatura: a Formação de Leitores. O que questionamos é a ênfase no livro como mera mercadoria e no leitor como simples consumidor desta mercadoria – e não como cidadão com direito universal de acesso ao conhecimento.

Para comprovar esta mudança de foco, fizemos um rápido levantamento dos investimentos feitos em 2011 e algumas comparações com 2010:

A FBN/MinC investiu no ano passado cerca de R$ 40 milhões no Livro Popular, um projeto para resolver as questões impostas pelo mercado, mais cerca de R$ 4 milhões em feiras do livro, contra apenas cerca R$ 6 milhões em leitura e pouco mais de R$ 2 milhões em fomento à literatura, ainda assim, parcialmente executadas e às custas do congelamento de políticas de sucesso implementadas pelo próprio MinC, e seus órgãos subordinados, como a Funarte, de 2007 para cá.

Em 2010 estavam aprovados e orçados no Fundo Nacional de Cultura (com editais com pareceres favoráveis) R$ 30 milhões para a área do livro, leitura e literatura. O único edital executado foi o de R$ 3 milhões para as pequenas e médias livrarias (que se insere nas demandas do mercado, apesar de o defendermos como de extrema importância, pois está vinculado à promoção cultural nestes espaços, que enfrentam a concorrência desigual das grandes redes). Os demais editais, todos voltados para a formação de leitores, mediadores e área literária foram ignorados pela nova gestão da FBN.

Vale ressaltar que o edital das livrarias foi aberto antes de o senhor Galeno Amorim assumir a FBN (em janeiro de 2011) e concluído a partir de uma pressão exercida pelo Colegiado, demanda assumida pelo secretário de Articulação Institucional do MinC, Luiz Roberto Peixe, e pelo então diretor da Diretoria do Livro, Leitura e Literatura, Fabiano Santos Piúba.

Segundo dados da própria FBN, é possível apurar os seguintes números orçados para a ação das políticas do livro, leitura e literatura em 2011, ainda que não saibamos da sua real execução:

LIVRO
- Edital para compra do Livro Popular: R$ 36,9 milhões
- Gestão do Livro Popular: R$ 1,5 milhão
- Circuito de Feira de Livros: R$ 3,3 milhões
- Gestão e execução do programa Livraria Popular: R$ 2 milhões
- Feira de Frankfurt: R$ 1 milhão
Total: R$ 44,79 milhões

Cabe ressaltar um dado grave: o montante destinado ao Edital de Compra dos Livros Populares é resultado de uma emenda parlamentar do deputado Angelo Vanhoni (PT-PR) que deveria ser executada com a finalidade de modernizar e implantar bibliotecas.

BIBLIOTECAS
- Edital Mais Cultura de Apoio a Bibliotecas: R$ 2,065 milhões
- Modernização da Biblioteca Estadual do RS: R$ 2,362 milhões
- Kits de Modernização de Bibliotecas Municipais: R$ 4,319 milhões
Total: R$ 8,746 milhões

LITERATURA
- Internacionalização: R$ 1 milhão
- Bolsas de Tradução: R$ 256 mil
- Caravana de escritores: R$ 1 milhão
Total: R$ 2,256 milhões

1. O presidente da FBN chegou a anunciar R$ 1 milhão para o programa de tradução, mas foram investidos apenas R$ 256 mil.
2. Não há clareza sobre o que significa o item orçamentário “Internacionalização”
3. O programa de Caravana de Escritores ainda não saiu do papel.
Ou seja, o investimento real em literatura, na verdade, se resumiu a pouco mais de R$ 1 milhão.

LEITURA
- PROLER (Cidadania e Leitura): R$ 2,1 milhões
- Agentes de Leitura: R$ 2,84 milhões
- PROLER (Formação de mediadores): R$ 912 mil
- Pontos de Leitura/Quilombolas: R$ 300 mil
Total: R$ 6,152 milhões

Vale lembrar que:

1. As ações do ProLer foram orçadas em 2010.

2. No programa Agentes de Leitura, havia R$ 5 milhões aprovados pela Comissão Nacional do FNC, mas a direção da FBN retirou R$ 2,16 milhões para o Programa Livro Popular, reduzindo para quase a metade as possibilidades de investimentos no principal programa formador de leitores do país.

3. A FBN coloca na conta cerca de R$ 7 milhões de restos a pagar de 2010 do Mais Cultura do MinC para convênios com os Estados e com as Prefeituras.

O resumo, SENHORA PRESIDENTA, é que para 2011 foram prometidos os seguintes blocos de investimentos, ressaltamos, sem o aval do Colegiado Setorial, e que caracteriza bem a mudança de foco do MinC/FBN nas políticas do livro, leitura e literatura:

- Livros: R$ 44.792.000,00
- Bibliotecas: R$ 8.746.000,00
- Literatura: R$ 2.256.000,00
- Leitura: R$ 6.152.000,00

Em torno de 76% voltados para ações de livros e em torno de 60% desse orçamento para a compra exclusiva de livros. A justificativa para os investimentos em compra de livros pode até ser a de que beneficiarão as bibliotecas, mas uma rápida análise comprova que a necessidade de nossas bibliotecas está muito além da simples renovação de seus acervos, sendo muito maior a necessidade de qualificação e ampliação de seus quadros profissionais (mediadores de leitura), a modernização de seus espaços, a presença de escritores dialogando diretamente com o público e sua transformação em verdadeiros centros culturais e não apenas meros depósitos de livros. Cabe ressaltar ainda que esta compra de livros populares, em boa parte, é feita a partir de estoques não vendidos das editoras (ou seja, edições antigas).

Outro investimento paralisado em 2011 (este não se trata de valores, mas sim de vontade política), definido como prioridade pela no processo da II Conferência Nacional de Cultura e pelo Colegiado Setorial, trata da institucionalização das Políticas:

- Instituto Nacional de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas
- Lei do Plano Nacional de Livro e Leitura
- Fundo Setorial Pró-Leitura

Há ainda os editais não executados em 2011, previstos no Fundo Nacional de Cultura em 2010:
1) Edital Todos pela Leitura - R$ 11 milhões
2) Edital Cidades de Leitores – R$ 3 milhões
3) Edital de Bolsa de Criação, Difusão, Formação e Intercâmbio Literário - R$ 10 milhões
4) Edital de Produção e Circulação de Periódicos Literários - R$ 3 milhões

Todos estes investimentos garantiriam R$ 14 milhões a mais nos programas de formação de leitores e outros R$ 13 milhões na área de literatura. A FBN/MinC subtraiu esses recursos para direcioná-los todos a compra de livros.

Vale lembrar ainda neste item, que em 2010 foram investidos R$ 4 milhões da Funarte nas Bolsas de Criação e Circulação Literária, programas que foram interrompidos em 2011 (ou seja, mais uma redução no investimento em literatura), com a promessa de retornarem em 2012. Este investimento foi interrompido por interferência direta da presidência da FBN, que gestionou para que estas bolsas fossem retiradas da Funarte.

PNLL – Plano Nacional do Livro e da Leitura
O PNLL é nosso documento de referência, não só por consolidar os grandes eixos do corpo das políticas públicas do livro, leitura, literatura e bibliotecas, mas por ser fruto do esforço dialogado entre governo e sociedade civil, e por ter sido, senão o primeiro, um documento de referência nas políticas culturais, inspirador para outros setores da cultura desencadearem o processo de elaboração de seus respectivos Planos.

A sistematização desse rico processo e seu grau de reconhecimento está bem posta no prefácio do José Castilho Marques Neto, ex-secretário Executivo do PNLL, na publicação PNLL Textos e História: 2006-2010, quando afirma que:
“Com o PNLL e seu desdobramento nos Planos Estaduais e Planos Municipais de Livro e Leitura, que já começam a acontecer desde 2009 em muitos cantos do país, o Brasil pode afirmar que está próximo de conquistar uma Política de Estado para a leitura.

O Brasil alcançou com o PNLL um patamar político e conceitual que é imprescindível para se consolidar uma Política de Estado para o setor, isto é, o desejado consenso entre governo e sociedade tanto no diagnóstico do que é preciso fazer quanto nos objetivos a alcançar para se tornar um país de leitores.

A obtenção deste consenso foi o que mais projetou o PNLL para os países ibero-americanos, tornando-o referência para muitos dos planos de leitura que também se desenvolvem nos países irmãos do continente americano e no mundo ibérico.
Os entrelaçamentos conceituais e práticos da ação do Estado com a sociedade e a indissociabilidade entre a cultura e a educação na formação de leitores são pontos referenciais que o PNLL do Brasil possui e foram intensamente debatidos e assimilados como necessidade da política pública de leitura em inúmeros foros internacionais”.

O PNLL está paralisado desde a saída do então secretário-executivo, José Castilho, em abril de 2011, o que torna o quadro das políticas para o livro, leitura e literatura ainda mais desalentador. Somente em dezembro de 2011 foi nomeada a professora Maria Antonieta Cunha, para substituí-lo. Para piorar a situação, dois meses depois Antonieta foi anunciada como nova titular da DLLL, deixando novamente acéfala a direção do PNLL.

Com a demora na nomeação da substituta do Castilho, a insegurança política gerada e o desmantelamento da equipe, o Plano ficou um ano praticamente paralisado. Em 2010 havia cerca de 700 municípios cadastrados. Além de não haver registro confiável da ampliação dos planos municipais em 2011, o DLLL não consegue monitorar o andamento dos Planos municipais e estaduais em curso.
O aspecto mais transparente desta paralisia pode ser resumido em três exemplos: desde abril de 2011 o site do PNLL não é atualizado, desde dezembro de 2010 não é expedido o boletim semanal do Plano e em 2010 foram realizados quatro cursos para gestores de PELLs e PMLLs, enquanto em 2011 somente um até março e outro iniciado em abril.

AGENTES DE LEITURA
Em 2011 foram formados 164 agentes de leitura nos municípios de São Bernardo do Campo (SP), Nilópolis (RJ) e Canoas (RS).
Os dados do MinC informam que até 2010 existiam convênios que garantiam a ação de 3.877 agentes de leitura em todo o país, divididos entre 9 governos estaduais, 16 municipais e três consórcios intermunicipais.
Fundo Pró-Leitura e Sistema Nacional de Bibliotecas
Outra situação grave, que vale ressaltar sempre, é o completo desaparecimento de pauta do Projeto de lei de criação do Fundo Pró-Leitura (projeto que vinha tramitando com pareceres técnicos e jurídicos consolidados dos ministérios da Cultura, Educação, Planejamento, mas sobretudo da Fazenda, que redigiu a forma e estrutura da Contribuição Social).

Esse projeto surgiu a partir da desoneração fiscal em 2004, pelo Governo Lula, do PIS/COFINS/PASEP para editoras, livrarias e distribuidoras. Em contrapartida, estes setores do mercado editorial se comprometeram e assinaram documentos em torno do compromisso de contribuir com 1% do faturamento anual para o Fundo Pró-Leitura. Os impostos que foram reduzidos a alíquota zero pelo Governo Federal impactavam em média 9% do faturamento da cadeia produtiva. Este processo nunca foi concluído, sempre sofreu oposição do setor produtivo e, coincidentemente com a entrada do referido atual presidente da FBN no gerenciamento das políticas, o debate desapareceu.

Por último, neste arrazoado de informações, também ficou esquecido o projeto de fortalecimento ou revitalização do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). Apesar dos anúncios de investimentos em bibliotecas, o cenário beira o descaso quando se trata de bibliotecas municipais. Basta analisar o Censo Nacional de Bibliotecas Públicas.

Senhora Presidenta,
quando sistematizamos as informações referentes ao exercício de 2011, fica claro quais foram as prioridades desta gestão. Não somos oposição a este governo, muito pelo contrário, trabalhamos muito, vidas inteiras, para ajudar este projeto a ser implementado no País. Por isso é muito triste ver os rumos tomados pelo MinC/FBN em sua gestão.

É grande a ideia do PNLL: construir programas de base para a formação de leitores, valorizando os agentes de leitura e a centralidade da biblioteca; fomentando a nossa produção literária e a formação de educadores-leitores. O avanço seria inestimável se tudo isso continuasse no mesmo rumo, e o setor do livro, leitura e literatura daria uma contribuição imensa para a formação da base da nação que tanto sonhamos e tanto desejamos.

Sem o devido investimento em leitores, literatura e livros, jamais daremos o salto de que somos responsáveis: a proteção, garantia e efetivação do Direito Humano de toda a população brasileira ao seu pleno desenvolvimento cultural, educacional, econômico e social, onde o desenvolvimento das práticas leitoras exerce um papel estruturante.

Antônio Cândido, um dos nossos grandes intelectuais, que tanto reflete sobre a literatura como Direito Humano, afirma que esta é “fator indispensável de humanização” e “confirma o homem (o ser) na sua humanidade”, palavras que dialogam com as de Vargas Llosa, quando afirma que “a cultura, a literatura, as artes, a filosofia, desanimalizam os seres humanos, ampliam extraordinariamente seu horizonte vital, atiçam sua curiosidade, sua sensibilidade, sua fantasia, seus apetites, seus sonhos, e os tornam mais porosos à amizade e ao diálogo”.

Portanto, a prioridade na consolidação da política pública do livro, leitura e literatura, como política de Estado e com foco primordial na formação de leitores, na qualificação/ampliação de seus espaços e profissionais e no fomento à criação literária, é fundamental para a formação de sujeitos atuantes na construção de um modelo de desenvolvimento sustentável, pautado nos princípios da justiça e da igualdade.

Por isso, Senhora Presidenta, é que apelamos para sua atenção ao assunto, já que, como salientamos no início deste documento, todas as tentativas de diálogo da sociedade civil com o Ministério da Cultura resultaram em frustração e desmonte de um trabalho construído ao longo de anos.

Nossas melhores saudações democráticas, 


Nilton Bobato, escritor e professor. Representante da Região Sul no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura, e membro titular do Conselho Nacional de Política Cultural/CNPC.
Edgar Borges, escritor e jornalista. Representante da Região Norte no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura.
Ademir Assunção, escritor e jornalista. Representante dos escritores (Cadeia Criativa) no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura
Rogério Barata, pedagogo, formador de professores-leitores, contador de histórias. Representante da Cadeia Mediadora no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura.
Mileide Flores, livreira. Representante da Região Nordeste no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura, e coordenadora do Fórum de Literatura, Livro e Leitura do Ceará.
João Castro, poeta. Representante dos escritores (Cadeia Criativa) no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura e presidente da União dos Escritores da Amazônia.
Izaura Ribeiro Franco, escritora e editora. Representante da Região Centro-Oeste no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura.
Nêmora Rodrigues, bibliotecária. Representante da Cadeia Mediadora no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura, e presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia.
Almir Mota, escritor, editor e produtor cultural. Representante dos escritores (Cadeia Criativa) no Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura.
Jasmine Malta, professora mestra da Universidade Federal do Piauí. Membro do Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura – Cadeia Produtiva.
Kelsen Bravos, professor, editor e escritor. Membro do Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura – Cadeia Mediadora.
Benita Prieto, contadora de histórias e produtora cultural. Membro do Colegiado Setorial do Livro, Leitura e Literatura – Cadeia Mediadora. 
 ................
Fique à vontade para divulgá-la em seu site, blog ou perfis das redes sociais!

14 de fevereiro de 2012

Porlamar - Capriles Radonski em coletiva ontem, garantiu aO Estado de Sao Paulo que compensará o déficit da balanca comercial com o Brasil explorando a super reserva do rio Orinoco. Garante que a PDVSA continuará sob o controle do Estado, assim como a saúde, a educacao e os programas sociais. Mas que a iniciativa privada é quem entende de negócios. Para o jovem político de 39 anos, a estatizacao de empresas só tornou a Venezuela menos competitiva. Os números estao disponíveis, para quem duvida.


Mais de 3 milhoes de venezuelanos votaram nas eleicoes primárias. Um sinal de que a alternancia de poder é um desejo popular, embora o caprichoso presidente atual se considere irremovível. Principalmente depois de formar milícias armadas entre os jovens e ter ministros envolvidos em grupos armados como o La Piedrita.

8 de fevereiro de 2012

1984

Carúpano - A Venezuela aprovou uma lei contra desestabilizacao política e terrorismo. Agora cidadaos podem ser abordados a qualquer momento por suas opinioes. Chama-se Ley Orgánica contra la Delincuencia Organizada y Financiamiento al Terrorismo. Estrangeiros que emitam juízos desfavoráveis ao regime também estao sujeitos à lei. Para quem critica os Estados Unidos por suas posicoes conflitantes em relacao a liberdade política, o retrocesso é evidente. 


Sabe aquela lei que permite a qualquer norte-americano denunciar imigrantes ilegais? O artigo 13 da Ley Orgánica contra la Delincuencia Organizada y Financiamiento al Terrorismo afirma que qualquer sujeito, natural ou jurídico, é obrigado a denunciar o que o governo considera tentativa de desestabilizacao política. Ou terrorismo, segundo a novilíngua chavista.

7 de fevereiro de 2012

O Coronel em seu labirinto

Cumaná - Há vários dias o presidente aparece na Televisao para falar sobre o nada. Aliás, há vários anos. O politburo do autointitulado comandante-en-jefe teniente-coronel Hugo Rafael Chávez Frías usa os meios de comunicacao para falar apenas sobre o próprio presidente. Um culto à personalidade que se estende por murais, cartazes, outdoors e placas nas estradas de todo o país.

Uma maioria cada vez mais evidente de artistas e intelectuais venezuelanos deixa de acreditar na suposta revolucao bolivariana, que mudou o nome e a constituicao do país, mas nao mudou o estado de miséria como se esperava. Cerca de 37% da populacao venezuelana continua a viver abaixo da linha de pobreza e 20%  nao recebeu educacao formal.(2006). Um terco da populacao nao tem acesso a saneamento básico, segundo a ONU e 17 por cento nao tem água potável. Conheco bem quase 80 por cento do território venezuelano e pelo que vejo, essa estatística está subfaturada.

30 de janeiro de 2012

A chave de Chávez

Las Claritas - A tal revolucao bolivariana é um fracasso. A oposicao unida vai escolher um candidato único no dia 12 e a parte venezuelana da família Veríssimo já se posiciona contra Hugo Rafael Chávez Frías. O grande problema, segundo meu pai, é o alto índice de abstencao. Cinco candidatos disputam a chance de enfrentar o chavismo. Os favoritos sao os governadores de Miranda, Capriles Radonski e de Zulia, Pablo Pérez.

3 de novembro de 2011

Carta de Foz do Iguaçu - 1º Encontro Mundial de Blogueiros

O 1º Encontro Mundial de Blogueiros, realizado em Foz do Iguaçu (Paraná, Brasil), nos dias 27, 28 e 29 de outubro, confirmou a força crescente das chamadas novas mídias, com seus sítios, blogs e redes sociais. Com a presença de 468 ativistas digitais, jornalistas, acadêmicos e estudantes, de 23 países e 17 estados brasileiros, o evento serviu como uma rica troca de experiências e evidenciou que as novas mídias podem ser um instrumento essencial para o fortalecimento e aperfeiçoamento da democracia.
Como principais consensos do encontro – que buscou pontos de unidade, mas preservando e valorizando a diversidade –, os participantes reafirmaram como prioridades:

- A luta pela liberdade de expressão, que não se confunde com a liberdade propalada pelos monopólios midiáticos, que castram a pluralidade informativa. O direito humano à comunicação é hoje uma questão estratégica;
 
- A luta contra qualquer tipo de censura ou perseguição política dos poderes públicos e das corporações do setor. Neste sentido, os participantes condenam o processo de judicialização da censura e se solidarizam com os atingidos. Na atualidade, o WikiLeaks é um caso exemplar da perseguição imposta pelo governo dos EUA e pelas corporações financeiras e empresariais;
 
- A luta por novos marcos regulatórios da comunicação, que incentivem os meios públicos e comunitários; impulsionem a diversidade e os veículos alternativos; coíbam os monopólios, a propriedade cruzada e o uso indevido de concessões públicas; e garantam o acesso da sociedade à comunicação democrática e plural. Com estes mesmos objetivos, os Estados nacionais devem ter o papel indutor com suas políticas públicas.
 
- A luta pelo acesso universal à banda larga de qualidade. A internet é estratégica para o desenvolvimento econômico, para enfrentar os problemas sociais e para a democratização da informação. O Estado deve garantir a universalização deste direito. A internet não pode ficar ao sabor dos monopólios privados.
 
- A luta contra qualquer tentativa de cerceamento e censura na internet. Pela neutralidade na rede e pelo incentivo aos telecentros e outras mecanismos de inclusão digital. Pelo desenvolvimento independente de tecnologias de informação e incentivo ao software livre. Contra qualquer restrição no acesso à internet, como os impostos hoje pelos EUA  no seu processo de bloqueio à Cuba.
 
Com o objetivo de aprofundar estas reflexões, reforçar o intercâmbio de experiências e fortalecer as novas mídias sociais, os participantes também aprovaram a realização do II Encontro Mundial de Blogueiros, em novembro de 2012, na cidade de Foz do Iguaçu. Para isso, foi constituída uma comissão internacional para enraizar ainda mais este movimento, preservando sua diversidade, e para organizar o próximo encontro.

14 de outubro de 2011

Os chatos

Brasília - O governo conseguiu fazer com que 100 professsores, vindos de todo o Brasil, perdessem seu tempo em Brasília por conta de rusgas com o Sinasefe, o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. A oficina não ocorreu e o grupo ficou trancado num auditório cercado de manifestantes cobertos de razão. Antes isso se chamaria censura. E hoje?

12 de outubro de 2011

A Batalha

Brasília - Estou na Escola Nacional de Administração Pública numa oficina oferecida pelo Ministério do Planejamento aos professores das IFES para aprender a negociar com o governo. Sim, é irônico.

5 de setembro de 2011

Petróleo

Decretar que combustíveis fósseis são a solução número 8.412 para a economia de RR e citar intelectuais de direita (uma espécie extinta no Brasil, com exceção de Delfim Netto) é expor a ignorância sobre as consequências ambientais da exploração de petróleo e travestir de gracejo o autoritarismo dos que se opõem ao diálogo. Discutir ambiente para quê, se o que bate mais forte é a saudade dos anos de chumbo?

30 de agosto de 2011

Contra o acordo e pela greve docente nas universidades federais


A sensação de desamparo causada aos professores federais por suas entidades representativas, Andes e Proifes, é quase resignadora. Quase. Porque a indignação, este combustível das democracias, e a coragem, gene contido no DNA de qualquer educador, são mais fortes que a resignação.

Antes não aceitávamos o tratamento desrespeitoso por parte do Governo Federal, incapaz de apresentar uma proposta para repor as perdas históricas da categoria. Agora, assistimos perplexos, à assinatura de um acordo realizado sem aprovação das bases. Um acordo que pouco muda a vida do educador e em nada melhora a qualidade da educação.

Nossos representantes nacionais não têm o direito de assinar acordos sem a anuência das bases. Já agüentamos esse desrespeito de nossos legisladores, que rechaçam a Lei de Ficha Limpa e do STF, que tornou obsoletos os cursos de Jornalismo numa canetada. Isso significa que nossos representantes não cumprem seu papel e devem ser destituídos.

24 de agosto de 2011

Governo propõe reposição ladina a professores das IFES


Boa Vista - Professores da Universidade Federal de Roraima acabam de rejeitar a proposta do governo de reajuste na ordem de fabulosos 4 por cento. 

Amanhã ocorre a última negociação com o MPOG antes do fechamento do orçamento para 2012. 

A assembléia geral que discutirá indicativo de greve foi marcada para o dia 1 de setembro. Sim, o velho clichê “A luta continua” é apropriado para o momento.

17 de junho de 2011

10 por cento do PIB para a educação já

Brasília - A Universidade Pública está em sério perigo. Nos últimos anos abriu-se muitas vagas, mas não se ampliou o número de professores. Os que estavam no quadro tiveram seus salários achatados e os igressantes já chegaram com uma remuneração pífia e com um plano de carreira menos que razoável. OU melhor, sem um plano de carreira.

Minha dúvida é: aonde o governo quer chegar monetarizando a questão, deixando tudo a cargo do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão?

Nós, professores das universidades federais, devemos paralisar para alertar a sociedade sobre o sucateamento das IFES, as condições de trabalho cada vez mais precárias e o ensino médio espúrio que nos remete alunos cada vez menos preparados. A Educação precisa se tornar uma questão de Estado.

Nos últimos anos perdemos a capacidade de defender a saúde pública e a educação pública de qualidade. Associações de Docentes (claro, há exceções) passaram a ser pouco mais que administradoras de planos de saúde e clubes recreativos.

Somente juntos, técnicos e professores das IFES, podem construir uma possibilidade de enfrentamento (greve) ao que os governos FHC, Lula e Dilma, inesperadamente concordam: de que gastar com educação é prejuízo.

Pela destinação de 10 por cento do PIB à educação JÁ!

5 de junho de 2011

Roraima vive sutuação de calamidade pública

Boa Vista - Meus bons amigos, a situação em Roraima está cada vez mais complicada. Esta manhã o governador Anchieta Júnior (PSDB) decretou estado de calamidade pública, devido à situação crítica em Roraima.

No município de Normandia uma ponte foi rompida e todos os municípios interioranos estão isolados. Ele destacou que apesar de o rio ainda não ter atingido cheia histórica de 1976, que foi de 9,80 metros.

Conforme as informações da Defesa Civil, todos os municípios interioranos estão isolados em menor ou maior grau. Capitão Doriedson Ribeiro, da Defesa Civil, disse que existem muitos trechos de estradas com problemas de rompimentos e pontes em situação de colapso.

De acordo com comandante do Corpo de Bombeiro, Manoel Leocádio a decisão do governador José de Anchieta de decretar estado de calamidade pública demonstra a situação preocupante em todo o estado.

Isso faz com que a situação preocupe às autoridades devido a grande número de pessoas em situação de vulnerabildiade nas áreas de risco que é muito maior, devido ao crescimento populacional da cidade.

A Defesa Civil destacou que alguns municípios já estão sofrendo com problema de abastecimento de água, devido aos reservatórios terem sido atingidos pelas enchentes. O

alerta é para que as pessoas evitem sair de casa e que, caso saiam, prestem atenção nas estradas, ruas e avenidas que estão esburacadas ou se rompendo. A Defesa Civil vai pedir à prefeitura de Boa Vista para que interdite algumas ruas que estão esburacadas e levam risco à população.

4 de junho de 2011

O Bi de Chávez

Caracas - A cidade prepara-se para comemorar o bicentenário da independencia, no dia 5 de julho. Foi em 1811 que El libertador tornou a Venezuela independente da Grande Colombia. Uma das grandes atitudes bolivarianas, por supuesto.

Bolivarianos de ocidente a oriente chegam para os eventos. Filmes institucionais sao rodados próximo da praca Simón Bolívar, diante de prédios históricos e velhas igrejas de sinos gigantescos pintados por quilos de fezes de muitas geracoes de pombos. Rodo a esmo pelo centro enquanto aguardo a hora do embarque para os Andes venezuelanos.

Já nao se ve tantos cartazes de Hugo Chávez Frías. Sinal de que nao havera nova reeleicao do caudilho? A ver.

20 de abril de 2011

E agora vamos montar as bibliotecas comunitárias

A Caminhada Arteliteratura vai chegando ao seu fim em Roraima.

Dia 28 de abril o Coletivo Arteliteratura Caimbé  vai a Campo Alegre e Vista Alegre levar escritores para conversar com os moradores destas comunidades indígenas que ficam depois do Rio Uraricoera. Já confirmaram a viagem o poeta Eroquês Gaudério, o cordelista Otaniel Souza e a contadora de histórias Alexia Linke. 
Poeta Eroquês Guadério
Na verdade, todos já "estão lá" nas comunidades desde o mês de fevereiro, quando entregamos um kit contendo 29 livros e um CD de vários escritores e músicos de Roraima.

Escritora e contadora de histórias Alexia Linke
Agora, o trio vai trocar ideais com o povo da Terra Indígena São Marcos e saber o que acharam de seus escritos. Além deles, vão conosco o conselheiro estadual de Cultura Bebeco Souto Maior, o presidente do Fotoclube Roraima, Marcelo Seixas, e a jornalista Evilene Paixão.

A visita do dia 28 não será somente para levar os escritores. Vamos também entregar os livros arrecadados na campanha para montar bibliotecas comunitárias em quatro comunidades indígenas de Roraima e uma em Boa Vista. Graças à colaboração da turma da cidade e da Fundação Biblioteca Nacional, via Diretoria do Livro, Leitura e Literatura, conseguimos juntar mais de 1.100 exemplares de prosa e poesia.

A campanha não fazia parte do projeto. Nasceu a partir das visitas preliminares, quando vimos a possibilidade de fazer mais pelas comunidades, deixando mais sementes literárias além dos livros dos autores regionais. Felizmente conseguimos boa resposta da população não índia e das lideranças das comunidades, que já se mobilizaram para criar e adequar bons espaços para abrigar o material que será entregue.  

A nossa jornada continua depois de Campo Alegre e Vista Alegre. No dia 13 de maio estaremos nas comunidades Boca da Mata e Sorocaima II, no município de Pacaraima, para repetir o mesmo processo (levar escritores, doar livros, fundar bibliotecas comunitárias) e um pouco mais: na primeira visita que fizemos a Sorocaima II, alguns moradores de Sorocaima I pediram ajuda para também montar uma biblioteca em sua comunidade. Felizmente conseguimos atendê-los. 
 
Com isso, em vez de quatro bibliotecas comunitárias, serão cinco os espaços de leitura criados pelo Projeto Caminhada Arteliteratura.

Para fechar a postagem, alguns números da Caminhada:

1.110 livros, 78 revistas e 28 gibis arrecadados serão distribuídos.

246 livros técnicos e didáticos coletados na campanha foram repassados para a bibliteca do Museo Integrado de Roraima.

22 rodas de leitura serão realizadas até o final de projeto, previsto para junho no município de Palmares, Pernambuco. 

4 comunidades indígenas foram visitadas: Campo Alegre, Vista Alegre, Boca da Mata e Sorocaima II.

6 bibliotecas comunitárias serão montadas em Campo Alegre, Vista Alegre, Boca da Mata, Sorocaima II, Sorocaima I e Boa Vista.

220 livros de autores roraimenses serão distribuídos nos kits literários entregues nas comunidades indígenas e em Palmares.


Tudo isso graças ao apoio da Funarte e do Ministério da Cultura, que selecionaram o projeto na Bolsa de Circulação Literária.

9 de fevereiro de 2011

Autopublicação uma tendência em crescimento

A autopublicação e a publicação digital de livros são tendências crescentes no Brasil. Grande contribuição nesse sentido tem sido dada eplo Clube do Autor, um site-editora que dá a possibilidade aos novos autores de publicarem seus livros e gerenciarem sua carreira.

O vídeo abaixo mostra como funciona o processo. Confira:



Publique seu livro você também.

30 de janeiro de 2011

Boa Vista Versificando

Cinco versificadores participaram da terceira leva de #Versificados em Boa Vista, aqui na ponta Norte do Brasil.  

As poesias foram publicadas nos classificados do Jornal Roraima Hoje, na edição do sábado 29 de janeiro de 2011.

Comente à vontade. Esperamos você em fevereiro.

Clique para ampliar

28 de janeiro de 2011

Benício e o MC


Boa Vista - A capa do disco do Erasmo Carlos que vi quando criança - e que teria me causado susto e asco e fixação e pesadelos intermitentes e processos arcaicos e sociopatia e internação, caso eu não fosse o típico garoto destemido, construtor de estradas, amigo de dragões, homúnculos e gigantes e astronauta - volta à baila.

A peça foi criada para o álbum Amar para viver ou morrer de amor (1982) pelo ilustrador Benício, hoje com 74 anos. Autor de ilustrações e cartazes de cinema,  Benício quer processar por plágio o MC Morlockk Dilemma, um alemão que parece um mix de Phil Collins e Dave Matthews. O trabalho de Benício é bem melhor. A programação visual também. 

31 de dezembro de 2010

Mike Guy-bras e Lionela - Redemption Song Bob Marley




Mike Guy-bras é um cantor guianense radicado em Boa Vista, Roraima, onde lidera uma banda chamada Guy-Bras. Já se apresentou em diversos estados do Brasil. Lionela é a sua filha, que sempre o acompanhou em suas apresentações e agora também assume os vocais nos shows.
A gravação foi feita no aniversário de 41 anos de Mike, na Casa Cultural do Coletivo Arteliteratura Caimbé

22 de setembro de 2010

CAMPANHA DO VOTO CASSANTE

O PODER DO VOTO


• Todos os dias você lê nos jornais e vê na televisão o desrespeito dos nossos políticos com o voto que nas eleições lhes outorgamos:

• Vemos políticos mensaleiros que utilizam recursos desviados dos cofres

públicos.

• Vemos políticos envolvidos em negociatas envolvendo empresas publicas e empresas privadas.

• Vemos políticos inocentando os colegas pegos com a mão na combuca, sem que a opinião publica tenha o menor valor no seu conceito.

• Vemos que os políticos envolvidos nessas negociatas não são exclusivamente de um partido político.


PROPOSTA


• Vote no partido de sua preferência!

• Não vote em branco!

• Não vote nos atuais políticos, mesmo naqueles que não estejam envolvidos nos escândalos conhecidos! pois eles, mediante voto secreto, defendem os que estão.

Não sendo reeleitos, os atuais políticos voltarão para suas atividades normais, sabendo que o voto popular tem o poder de elegê-los, mas, também, este voto tem o poder de cassar o seu mandato.

Os novos eleitos saberão que poderá acontecer o mesmo com eles, caso não desempenhem seu mandato com decência.


VAMOS TROCAR OS POLÍTICOS ATÉ COLOCAR ESTE PAÍS NO RUMO CERTO!!!

12 de setembro de 2010

se essa nota,
se essa nota fosse minha...
eu mandava,
eu mandava publicar...
sem falinhas,
sem falinhas repugnantes...
só pro meu,
só pro meu patrão agradar...



e as canções de ninar só mudam de berço. mas a insônia está lá.

$inhá Mídia

Belo Horizonte: na última semana, o jornalista Paulo Paiva, um dos editores do "grande jornal dos mineiros", perdeu o emprego. o motivo?: #ninguemsabe,ninguemviu.

27 de agosto de 2010

Piada interna

Suíte é fundamental em Jornalismo, apesar do costume de privilegiar kitinetes.

Fulano anuncia que vai construir ponte ou fábrica ou que vai abrir a sessão da ONU ou que vai subir ao espaço em foguete caseiro e a imprensa publica ipsis literis, sem questionar em nenhum momento, como se a mera declaração fosse suficiente para concretizar as intenções.

Incorrido o primeiro erro, o segundo é fatal: a imprensa em muitas ocasiões não verifica, não questiona. Não faz uma atividade básica no seu trabalho que é a repercussão do tema, o que no Jornalismo chamamos de suíte.

19 de agosto de 2010